Para mamãe que optarem por furar a orelhinha dos bebês para uso de brincos

Posted on

Furar ou não furar a orelha dos bebês para a colocação de brincos é uma questão muito pessoal de cada família e de cada mãe. Há aquelas que optam por não furar a orelha de seus pequenos e deixar que eles tenham idade para decidirem se querem ou não usar brincos. E há aquelas que optam por furar a orelhinha dos filhos desde bebês. Respeitar a decisão de cada mãe ou família é essencial, por isso, essa furar ou não furar não é a questão aqui.
Mas, acho importante compartilhar a experiência que tive com a minha decisão. Eu e meu marido decidimos furar as orelhinhas da nossa bebê com um mês de vida. Eu tenho 5 furos nas orelhas, sendo 3 na direita e 2 na esquerda, além de ter tido um piercing no umbigo por muitos anos, que só foi tirado na minha primeira gravidez, por isso dou super adepta aos furinhos, que acho lindos. Na minha época de criança e adolescente os furos nas orelhas eram feitos de diversas maneiras, mas de fácil acesso nas farmácias. Eu fiz alguns dos meus furos nas orelhas nas farmácias de bairro e outros eu mesma fiz como qualquer adolescente “rebelde” da minha época, usando o próprio brinco e gelo.
Eu busquei informações para furar as orelhinhas da minha bebê de firmas mais modernas e seguras do que na minha época.

Conversei com diversos profissionais capacitados e indicados por amigas mães para colocar o primeiro brinco na minha filha e optei pela Julia.

A Julia é enfermeira em um dos melhores hospitais de São Paulo e já trabalha com o serviço de furar a orelha dos bebês há muitos anos. Ela atende com hora marcada e na própria residência das clientes.

O procedimento foi muito simples, seguro e rápido. Uma pomada anestésica foi aplicada nas duas orelhinhas e esperamos 40 minutos para ter o efeito anestésico desejado. Após o tempo determinado, a Julia retirou a pomada com carinho, realizou a assepsia e fez uma marcação em cada orelha da minha bebê. Ela me explicou que a marcação é necessária para que o furo fique centralizado no lóbulo da orelha e seja feito em um ponto neutro de acunpultura, isso porquê, se no futuro minha filha quiser fazer acunpultura, os pontos de tratamento estarão livres para serem explorados. Achei interessante.

Há quem fure as orelhas dos bebês com o próprio brinco de joalheria ou faça o furo e use logo na primeira vez o brinco de joalheria. A Julia não recomenda e me explicou os motivos. Os brincos de joalheria não vem com a ponta em formato de “lança” e para que seja feito o furo é necessário lixar o brinco para conseguir o formato adequado, só que esse processo não garante a perfeição do formato e pode assim machucar o bebê no procedimento. Outro motivo é que o brinco de joalheria não é esterilizado. Ao realizar o procedimento com ele é necessário usar álcool, mas não é tão eficiente quanto usar um brinco de aço cirúrgico já completamente esterilizado de fábrica.

Esse é o procedimento usado pela Julia. Ela utiliza brincos Studex 75, de aço cirúrgico d banhados a ouro, importados da Califórnia. Os brincos já vêm esterilizados e lacrados, o aplicador é silencioso e individual, sem reutilização. É um método muito seguro e indolor para o bebê.
A Julia me deu todas as informações sobre o procedimento antes de realizá-lo, inclusive os cuidados necessários com o pós furo, indicando que o brinco de aço cirúrgico seja mantido na orelha do bebê por 60 dias, sendo desinfectado com 2 gotas de álcool por 3 vezes ao dia, sem tirar da orelha. Esse tempo é necessário para a completa e segura cicatrizarão do furo. Após esse tempo já posso trocar os brincos de aço cirúrgico por outros brincos de joalheria.

Minha filha mamou durante todo o procedimento do furo. O furo em si levou apenas um segundo para ser feto usando o aplicador e ela não sentiu absolutamente nenhuma dor. Depois de furar as orelhinhas minha bebê embalou um soninho bem gostoso.

Outro ponto importante do trabalho da Julia que me chamou a atenção foi ela oferecer o certificado do brinco e me pedido para assinar formalmente uma autorização do procedimento, já que ele foi realizado em uma criança menor de idade, pela qual sou responsável.

Sou suspeita, mas minha filha ficou ainda mais linda com seus brinquinhos. O resultado vocês podem ver abaixo.


E para quem optar por furar as orelhas dos seus bebês, eu indico a Julia de olhos fechados para realizar o procedimento. Os contatos dela estão aqui no post também.

E você, optou por furar as orelhas do seu bebê ou filho com qual idade? Como foi sua experiência e qual método escolheu?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *